sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Que venha 2011

Hoje não tô afim de fazer balanço algum do ano que se encerra.
Quanto a 2011, confesso que não tenho nada planejado. A verdade é que não sei bem o que vou fazer no próximo ano. Espero que quando ele chegar, eu saiba ou pelo menos, que alguma ideia, das muitas que lotam a minha mente, esteja clara e, principalmente, ordenada; porque agora, está tudo escuro.
Mas que venha ele, 2011, com muitas realizações e lutas!

domingo, 26 de dezembro de 2010

Único olhar- Jota Quest

"Eu nem vou perguntar, não vou olhar pra trás.Quer vir comigo, amor? Tem que compartilhar todas as emoções e abrir o coração pra gente ser feliz...Ser feliz!!!" (Único olhar- Jota Quest)

Da saudade.

Longe, longe...bem longe.
Dois mil quilometros é o que mede minha saudade. Antes era saudade daqui, hoje é saudade de lá.
Enquanto mato as saudades de alguns queridos, outras saudades nascem e crescem.
Eu andava mesmo precisando disso.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Do teu lado - Leoni


Em tempo:  Eu  queria mesmo postar o vídeo da música Do teu lado, do Leoni, que eu simplesmente sou apaixonada, mas não consegui baixá-lo. Por esse motivo, deixo vocês com a letra e fico lhes devendo o vídeo, ok?

Do teu lado
Composição: Leoni
Te escrevo essa canção
Pra te fazer companhia
Pra segurar tua mão
Não te deixar sozinha
Canção feita de pele
Pra usar por baixo da roupa
Canção pra te deixar um gosto doce na boca
Te escrevo essa canção
Porque nem sempre ando perto
E essa canção me ajuda a atravessar um deserto
Canção de fim de tarde
Pra se infiltrar nos seus poros
Pra contar com você
Te olhar no fundo dos olhos
Canção pra andar do teu lado
Em toda e qualquer cidade
Pra te cobrir de sorrisos
Quando eu chorar de saudades
Te escrevo essa canção
Pra te fazer companhia
Pra segurar tua mão
Não te deixar sozinha
Canção feita de pele
Pra usar por baixo da roupa
Canção pra te deixar um gosto doce na boca
Canção pra andar do teu lado
Em toda e qualquer cidade
Pra te cobrir de sorrisos
Quando eu chorar de saudades

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

***

CONSIDERAÇÃO: Você sabe o significado dessa palavra? Não é todo mundo mesmo que sabe!

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Por não estarem distraídos - Clarice Lispector


Havia a levíssima embriaguez de andarem juntos, a alegria como quando se sente a garganta um pouco seca e se vê que por admiração se estava de boca entreaberta: eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles.
Andavam por ruas e ruas falando e rindo, falavam e riam para dar matéria peso à levíssima embriaguez que era a alegria da sede deles. Por causa de carros e pessoas, às vezes eles se tocavam, e ao toque – a sede é a graça, mas as águas são uma beleza de escuras – e ao toque brilhava o brilho da água deles, a boca ficando um pouco mais seca de admiração.
Como eles admiravam estarem juntos! Até que tudo se transformou em não. Tudo se transformou em não quando eles quiseram essa mesma alegria deles. Então a grande dança dos erros. O cerimonial das palavras desacertadas. Ele procurava e não via, ela não via que ele não vira, ela que, estava ali, no entanto.
No entanto ele que estava ali. Tudo errou, e havia a grande poeira das ruas, e quanto mais erravam, mais com aspereza queriam, sem um sorriso. Tudo só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram.
Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios.
Tudo, tudo por não estarem mais distraídos.
(Por não estarem distraídos - Clarice Lispector)

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Doeu, não tem como negar que doeu, mas poderia ter sido mais dolorido. Não houve gritos nem explosões. Mas a cada palavra dita era como se um punhal adentrasse o peito e fizesse questão de ficar cutucando a ferida para que ela ficasse bem exposta. Por incrível que pareça a dor em toda sua intensidade não conseguiu me derrubar, pelo contrário, me fez forte. Fez-me ver que de nada adianta amar sozinha. Não, não acredito em amor pela metade. Vai-te amor! Tua morte fora uma tragédia há muito anunciada.
Brindemos então à ela!
Viva os amores findados pois é eles que abrem caminhos aos novos...

Ps.: Mais um daqueles textos desconexos. Mas quem é que liga pra isso?

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Da Insônia.

São 2:15h, já tentei me concentrar em algo que me fizesse dormir mas o máximo que consegui foi rolar de lá pra cá na cama. As últimas pessoas com as quais eu desenvolvia um diálogo virtual em minhas inúmeras madrugas insones não estão disponíveis para me fazer companhia. Uma hora dessas devem está dormido ou fazendo algo melhor do que vagar na internet.
Já zanzei pela casa, já dei uma passeada pelos canais da tv, mas nenhum programa me agrada. Escuto lá fora na rua o som da moto do "segurança" da rua...se não fosse tão perigoso eu abriria o portão, sentaria na calçada e ficaria olhando o nada.
Que post patético! Detesto esses post a la meu querido diário.
Mas se é pra ser assim que seja!

Querido diário, minha insônia hoje não me deixa dormir de jeito nenhum, já tentei de tudo e nada de ter sono. Hoje não aconteceu nada e eu não tenho nada a dizer. Meus dias tem sido bem dificeis mas eu tenho sobrevivido. Quer saber de uma coisa diário maldito? Vou te tacar fogo, só assim não sofro mais com minhas memórias de incansáveis e duras lutas.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Do desejo (in)contido.

Exatamente como quero a ti (im)pura paixão, desejo insano...pele, calor, carinho e muita vontade do horizonte (in)visível.

Meu corpo em teu corpo pulsa num profano compasso que marca o corpo e também a alma que se entrega em perfeito desatino em suas mãos abertas.

Porque demorei tanto para a ti me entregar? Essa pergunta certamente ficará eternamente sem resposta.

Senti falta das noites em que à distância percorreste as linhas do meu corpo. De me deitar sozinha em minha cama e sentir-me preenchida por você que em silêncio percorria cada milímetro do meu corpo em chamas.

No fim, apenas os sons dos meus soluços e algumas palavras jogadas fora.
Junto as palavras e formo poesias...poesias são feitas de palavras, de saliva, de toques, de sons e sabores. Palavras escritas a tinta invisível mas que deixam marcas que nem o tempo apaga mas a recordação emoldura.



domingo, 21 de novembro de 2010

Dia Nacional da Consciência Negra e Ativismo online pelo fim da violência contra mulher

Hoje, 20 de novembro, comemora-se no Brasil o dia nacional da consciência negra. O dia não fora escolhido por acaso. A data relembra o dia em que Zumbi foi morto em uma emboscada. Anteriormente a data era celebrada em 13 de maio, data em que a princesa Isabel assinou a lei Áurea.
O dia de hoje marca também o início dos 5 dias de ativismo online pelo fim da violência contra a mulher, e a data também não fora escolhida por acaso, teve como intuito culminar no dia 25 de novembro em que se comemora o dia mundial da luta pelo fim da violência contra mulher. Mas é importante que não se fique apenas nos 5 dias. Que essa seja uma luta diária.
Alguns podem se questionar o propósito de post. Mas o motivo é simples e se resume em uma frase:"Sou mulher, sou negra e tô na luta."

#FimDaViolenciaContraMulher e #PelaIgualdadeRacial

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Tempo de aprender com o que passou e de utilizar essas reflexões para caminhar em uma nova direção.
Seguir em frente é preciso!

domingo, 7 de novembro de 2010

Fragmentos de: "Anotações sobre um amor urbano." Caio F. Abreu

"Como evitaremos que nosso encontro se decomponha, corrompa e apodreça junto com o louco, o doente, o podre? Não evitaremos. Pois a cidade está podre, você sabe. Mas a cidade esta louca, você sabe. Sim a cidade está doente, você sabe. E o vírus caminha em nossas, companheiro.
Fala, fala, fala. Estou muito cansado. (...) Um nojo, vez em quando me dá asco - nojo é culpa, nojo é moral - você se sente sórdido, baby? - eu tenho medo, eu não quero correr risco - não é mais possível - vamos parar por aqui - quero acordar cedo, fazer cooper no parque, parar de beber, parar de fumar, parar de sentir - estou muito cansado - não faz assim, não diz assim - é muito pouco - não vai dar certo - anormal, eu tenho medo - medo é culpa, medo é moral - não vê que é isso que eles querem que você sinta? Medo, culpa, vergonha - eu aceito, eu me contento com pouco - eu não aceito nada nem me contento com pouco - eu quero muito, eu quero mais, eu quero tudo!
Eu quero risco, não digo. Nem que seja a morte.
Cachorro sem dono, contaminação. Sagüi no ombro, sarna. Até quando esses remendos inventados resistirão à peste que se infiltra pelos rombos do nosso encontro? Como se lutássemos - só nós dois, sós os dois, sóis os dois - contra dois mil anos amontoados de mentiras e misérias, assassinatos e proibições. Dois mil anos de lama, meu amigo. Tantos lixos atapetando as ruas que suportam nossos passos que nunca tiveram aonde ir.
(...) Tantas mortes, não existem mais dedos nas mãos e nos pés pra contar os que se foram. Viver agora, tarefa dura. De cada dia arrancar das coisas, com as unhas, uma modesta alegria; em cada noite descobrir um motivo razoável para acordar amanhã. Mas o poço não tem fundo, persiste sempre por trás, as cobras no fundo enleadas na lança. Por favor, não me empurre de volta ao sem volta de mim, há muito tempo estava acostumado a apenas consumir pessoas como se consome cigarros, a gente fuma, esmaga a ponta no cinzeiro, depois vira na privada, puxa a descarga, pronto, acabou. Desculpe, mas foi só mais um engano? E quantos mais ainda restam na palma da minha mão?
Ah, me socorre que hoje não quero fechar a porta com esta fome na boca, beber um copo de leite, molhar plantas, jogar fora jornais, tirar o pó de livros, arrumar discos, olhar paredes, ligar desligar a TV, ouvir Mozart para não gritar e procurar teu cheiro outra vez no mais escondido do meu corpo, acender velas, saliva tua de ontem guardada na minha boca, trocar lençóis, fazer a cama, procurar a mancha de esperma nos lençóis usados, agora está feito e foda-se, nada vale a pena, puxar cobertas, cobrir a cabeça, tudo vale a pena se a alma, você sabe, mas a alma existe mesmo? E quem garante? E quem se importa?"

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Sinto-me hoje mais que em qualquer dia inundada pela nostalgia. Talvez esse dia tenha uma aura particularmente nostalgica, não sei bem porque. Alguns dirão que é porque hoje é  o dia que as pessoas dedicam a render homenagens aos seus entes queridos que já não encontram-se entre nós.
Hoje, por exemplo, faz dois anos que um ser que passou pela minha vida e deixou marcas se foi. Por esse motivo, independente de ser ou não um dia especialmente dedicado a saudade, pra mim seria um dia particularmente atípico.
Dois anos? Como o tempo passou rápido. Às vezes tenho a impressão de foi ontem...fecho os olhos e posso ouvir minha irmã dizer: "Ele morreu!"
Hoje a dor que sinto não a da ausência física e nem da saudade. Na verdade já não sinto mais dor. Sinto uma espécie de angústia em perceber que mesmo tendo todos os diálogos guardados na memória, o timbre da sua voz já não faz parte dela. Tenho medo, muito medo de que um dia seu rosto, seu sorriso já não venha mais fazer carinho em minha lembrança, se um dia por acaso isso vier acontecer, creio que a dor novamente venha ser minha companheira constante e isso é deveras assustador.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

???

Quando a única alternativa é seguir em frente, o que se faz com nossos medos?
Tanta coisa a dizer, tanta coisa por dizer, mas hoje eu só quero ficar sozinha com meus medos.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

...

Em tempo: Recuperando um escrito já postado aqui tempos atrás.

A volta do mundo colorido.

Há dias em que a escuridão faz-se presente em nosso ser.
Torna-se difícil deixar qualquer faixo de luz entrar.
As dores acentuam-se, é possível sentir cada dor daquela ferida que você um dia sonhou ter cicatrizado.
Pode ser mesmo que as feridas tenham se tornado cicatrizes e como tais continuem a incomodar. Por mais que tentemos ainda podemos sentir cada corte em carne viva, é como se nossa dor estivesse em eterna exposição.
Talvez sejam como as flores da primavera que permanecem na memória mesmo quando as deixamos para trás como aquilo que pensávamos ser a beleza mais completa existente.
As coisas parecem estar sempre fora de lugar.
Tentei por inúmeras vezes te esquecer e quanto mais tentava, mais vivo na minha memória estavas.
Hoje o que me faz forte é a espera pela chegada do sol. Sol que reafirma a mudança das estações, sol que traz a luz forte do verão, o calor que esquenta meu coração e o desejo do novo.
Respiro! Encho os pulmões de vida.
Arrisco!
A vida se desenvolve em ciclos, ciclos de eternos recomeços.
Chegou a hora recomeçar!
Levanto, sacudo a poeira, junto os cacos do que um dia imaginei ser e enfim, recomeço.
Bem- vindos ao meu novo mundo...um mundo bem mais colorido!

domingo, 10 de outubro de 2010



Silêncio aqui dentro, silêncio lá fora, silêncio em todos os cantos.
O silêcio reverbera, seus ecos são ensurdecedores e me causam uma sensação estranha, uma espécie de angústia.
E todas aquelas conversas nas madrugadas insones? -NÃO EXISTEM MAIS!
Será que um dia existiram mesmo? -Talvez!
Encontro-me tão ou mais sozinha do que antes, embebida, embriagada de lembranças suas que tornaram-se tão minhas.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

***


E as lágrimas que teimam desta vez em não cair, me afogam por dentro.


quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Eu queria dizer tanta coisa, eu queria não dizer nada. Que diferença faz se eu disser tudo ou não disser nada se você parece não perceber o que meus olhos gritam?

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Do ser.

YING / YANG - BEM / MAL - LUZ / TREVAS
Dicotomias que nos cercam, nos completam pois uma não existiria sem a outra. Todos temos um pouco de tudo.. do vázio à imensidão completa, do ódio ao amor, da lucidez à loucura. E  descobrir a ponte que liga esses dois extremos, sim aquela ponte envolta em névoas mas que está ali ao alcance de suas mãos, no compasso ritmado do coração ora tranquilo, ora angustiado mas sempre um coração que bate, vive e bombeia por veias, exala por poros todo o amor que há em si...simples e imperceptível aos olhos mas grandioso à alma: eis o verdadeiro milagre do ser.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Serenidade!

Nesses dias aonde tudo estava nublado e eu sentia tanta solidão, procurei sentir e perceber o que precisava para preencher aqueles momentos.
Descobri como é gostoso estar só consigo mesmo, entre as dúvidas e medos, mas tive o prazer de me fazer companhia. Me descobri forte, decidida e racional, em pensamentos que completavam emoções e vice-versa.
Me olhei e me deparei nua diante da minha verdade e enxerguei as minhas inseguranças e mais dúvidas surgiram, senti medo, mas minha vontade foi forte, continuei mesmo com o peito dilacerado – as lágrimas não queriam correr mesmo – continuei caminhando para dentro.
Olhando em mim, descobri tanto... Descobri, ou melhor sentí que somos entrelaçados pelas emoções e pelo amor que emanamos. Sensação de conforto e amor. O “nunca estamos sós” se fez presente e pude senti-lo e vivenciá-lo.
Procurei meus amigos ... eles me fizeram mais fortes, todos os companheiros de viagem, mesmo aqueles que só conhecemos através das vibrações se fizeram presente.
Procurei a Luz e me deparei com o Amor, aquele que mesmo no silêncio da incompreensão ilumina e aquece o coração.
Minha mente clareou, pude respirar livremente, sem as cobranças da mente, da sociedade, minhas. Respirei ... chorei ... desabafei. Ai então me reconheci e me reergui (ainda estou em fase de reconstrução), para continuar meu caminho, aonde por tantos vou passar e tantos que passarão, mas como dizia o(a) poeta(tisa),
ELES PASSARÃO
EU PASSARINHO ...
Vou voar com as asas da minha alma para além do convencional, do igual, do mecânico, Vou voar por ai e encontrar outros com asas, bem vou indo, até o próximo pouso...
Paz e luz para todos.

sábado, 31 de julho de 2010

Alguns dados a cerca do sofrimento mental.



. Transtornos mentais atingem 23 milhões de pessoas no Brasil
Política prioriza doenças graves, mas as mais comuns são depressão, ansiedade e transtornos de ajustamento

28 de junho de 2010
21h 11

Agência Brasil
BRASÍLIA - No Brasil, 23 milhões de pessoas (12% da população) necessitam de algum atendimento em saúde mental. Pelo menos 5 milhões de brasileiros (3% da população) sofrem com transtornos mentais graves e persistentes.

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria, apesar de a política de saúde mental priorizar as doenças mais graves, como esquizofrenia e transtorno bipolar, as mais comuns estão ligadas à depressão, ansiedade e a transtornos de ajustamento.

Em todo o mundo, mais de 400 milhões de pessoas são afetadas por distúrbios mentais ou comportamentais. Os problemas de saúde mentais ocupam cinco posições no ranking das dez principais causas de incapacidade, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Dados da OMS indicam que 62% dos países têm políticas de saúde mental, entre eles o Brasil. No ano passado, o País destinou R$ 1,4 bilhão em saúde mental.

Desde a aprovação da chamada Lei da Reforma Psiquiátrica (Lei nº 10.216/2001), os investimentos são principalmente direcionados a medidas que visam a tirar a loucura dos hospícios, com a substituição do atendimento em hospitais psiquiátricos (principalmente das internações) pelos serviços abertos e de base comunitária.

Em 2002, 75,24% do orçamento federal de saúde mental foram repassados a hospitais psiquiátricos, de um investimento total de R$ 619,2 milhões. Em 2009, o porcentual caiu para 32,4%. Uma das principais metas da reforma é a redução do número de leitos nessas instituições. Até agora, foram fechados 17,5 mil, mas ainda restam 35.426 leitos em hospitais psiquiátricos públicos ou privados em todo o país.

A implementação da rede substitutiva - com a criação dos centros de Atenção Psicossocial (Caps), das residências terapêuticas e a ampliação do número de leitos psiquiátricos em hospitais gerais - tem avançado, mas ainda convive com o antigo modelo manicomial, marcado pelas internações de longa permanência.

O País conta com 1.513 Caps, mas a distribuição ainda é desigual. O Amazonas, por exemplo, com 3 milhões de habitantes, tem apenas quatro centros. Dos 27 estados, só a Paraíba e Sergipe têm Caps suficientes para atender ao parâmetro de uma unidade para cada 100 mil habitantes.

As residências terapêuticas, segundo dados do Ministério da Saúde referentes a maio deste ano, ainda não foram implantadas em oito Estados: Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Distrito Federal, Rondônia, Roraima e Tocantins.

No Pará, o serviço ainda não está disponível, mas duas unidades estão em fase de implantação. Em todo o Brasil, há 564 residências terapêuticas, que abrigam 3.062 moradores.

domingo, 18 de julho de 2010

...

Há pessoas que nos roubam de nós mesmas...
Há pessoas que nos devolvem.
Então, não me leve de mim.
Leve-me até mim.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Crise: descompasso/ desarranjo do corpo. Momento entre a vida e a morte.

Eu chorei, não sei porque mas chorei.
Odeio quando não me entendo.



domingo, 20 de junho de 2010

Dedução - Vladimir Maiakovski

Dedução

Não acabarão nunca com o amor, nem as rusgas, nem a distância.
Está provado, pensado, verificado.
Aqui levanto solene minha estrofe de mil dedos e faço o juramento:
Amo firme, fiel e verdadeiramente.
(Vladimir Maiakovski)

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Desabafo.


Tudo bem, convém o que me faz bem, seja profano, vulgar, a falsidade sincera, mas sendo o que se é...É escolha sentir dor? Algumas vezes sim (dizem por ai, mas ainda não sei), porém em outras não. Acredito, neste instante,que seja mais fácil ir dormir embalada/embebida pelo doce da ilusão e acordar com a dor do sol cuspindo na cara. Mas talvez a ilusão seja só minha.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

A gente costuma ouvir por aí que amizade entre homem e mulher não existe, os homens principalmente costumam espalhar essa máxima por aí. Alguns chegam a dizer que homem quando se aproxima de uma mulher é com segundas, terceiras...intenções (até aí não há como se nomear, rotular a relação, é impossível)
Amizade entre homem e mulher existe sim...Sinto muito por aqueles que discordam, mas que ela existe, existe...e pode ser a mais pura e sincera do mundo.  Sabe aquela vontade incontrolável de cuidar da pessoa? Aquele desejo de que ela seja verdadeiramente feliz (mesmo que para isso você precise mover mundos e fundos) ?
Quem mais poderia querer isso sem exigir nada em troca?
E sabe quem geralmente transforma esse sentimento inominável em amizade pura e limpida? Exatamente aquele cidadão que anteriormente dizia não existir amizade entre homem e mulher.
É ele quem te deixa entrar em lugares que talvez outras pessoas nunca tenham entrando e naquele exato momento, todo aquele "não sei o nome", perde o encanto e torna-se amizade. Tipo, você decifra a pessoa e o encanto desaparece, simples assim. Eu ousaria até mesmo dizer que essa transformação de sentimento do "não sei o que" em  a amizade seja de fato um amadurecimento desse sentimento. Mas e se esse "não sei o que" não amadurece e vira amizade, vira o que?

Tá meio confuso esse post, mas é assim mesmo...

terça-feira, 18 de maio de 2010

Quem é chicleteiro participa!

 

No próximo dia 05 de junho, será realizada em Salvador-BA, a  terceira edição da ação social "Sou chicleteiro, sou doador - Doe Sangue".
O intuito da campanha é demonstrar que além de vestirmos a camisa da alegria fazemos a diferença: doamos vida!

 
LOCAL : HEMOBA - HEMOCENTRO DA BAHIA - HGE
DIA 05 DE JUNHO 2010
A PARTIR DAS 07H

  •  Se você não está em Salvador não deixe de procurar o Hemocentro da sua cidade e fazer a sua parte. Seja um CHICLETEIRO SANGUE BOM!
É por essas e por outras que dá um orgulho danado ser chicleteiro.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Inconstância.


Coisa estranha é o ser humano. Um dia é, no outro não é mais. Um dia tá, no outro não tá mais. A inconstância tem tirado meu sono.
Coisas que faziam tempo que não aconteciam, voltaram a acontecer. Que mistura de sensações, coisas ruins e boas simultâneamente. Nossa...

domingo, 9 de maio de 2010

Todo dia é dia das Mães.

Hoje por uma convenção humana comemoramos o dia 'D' delas, porém seja qual dia for, todo dia é dia das mães. Meu post de hoje é dedicado  à todas as mulheres guerreiras, mães, amigas com as quais convivo e compartilho meus melhores e piores momentos...

Segue um texto da Lena Gino sobre as mães:

Tem bicho mais estranho do que mãe?
Mãe é alma contraditória.
É alegria no choro.
É carinho na raiva.
É o sim no não.
Só mãe mesmo pra ser o oposto...
E depois o contrário de novo.
Vai ver que é porque filho não vem com manual de instrução. e pra conduzir as crias no mundo, ela usa só de intuição, pra tentar fazer tudo direito.
Mas como pode ser assim, tão incoerente?
Ela diz:
Filho, você não come nada...
E logo se contradiz:
Para de comer, que eu tô botando o jantar!
E aí ela lamenta:
Ai, que eu não vejo a hora desse menino crescer!
Mas logo se arrepende:
Deixa que eu faço, você ainda é uma criança...
E quando ela manda:
Tira essa roupa quente, menina!
E logo em seguida:
Veste o casaco, quer pegar um resfriado?
Esse menino dorme demais...
Esse menino não descansa...
Essa menina vive na rua!...
Filha, sai um pouquinho, vai pegar um sol...
Pois é, gente, que pessoa é essa que jura que nunca mais...
E no momento seguinte promete que vai ser pra sempre?
Essa pessoa é assim mesmo:
Igual e diferente de tudo o que a gente já viu.
É a fortaleza que aguenta o tranco, só pra não ver o filho chorar.
É o sorriso de orgulho escondido, só pra não se revelar.
Mãe dá uma canseira na gente.
E às vezes tira do sério...
Até que um dia a gente se depara com uma ausência insuportável:
É a mãe que vai embora, deixando um vazio enorme, escuro, silencioso.
E aí descobre que, mesmo errando, ela sabia de tudo, desde o início.
E fez de tudo pra acertar.
Porque criar filho não tem regra - é doação e amor simplesmente.
Então, se você tiver privilégio de abraçar sua mãe nesse segundo domingo de maio, agradeça, porque o presente é seu. E esteja certo:
Mesmo sem manual de instrução, ela continua aí, atrapalhada, contraditória...
Mas com o olhar atento, querendo entender como você funciona.
E fazendo de tudo pra você não falhar.
Feliz dia das mães!
( Lena Gino)

sexta-feira, 7 de maio de 2010

AMOR.


Eu acredito no amor. O amor pelo próximo, pelo desconhecido, pelo iminente e pelas pessoas que nos cercam. Morrerei acreditando nesse sentimento nobre e ao mesmo tempo tão simples.

sábado, 24 de abril de 2010

Intensidade.


Intensidade ( Tania Melo)
Se preciso desnudar-me para que ,enfim,me conheças,
O faço sem preconceito, sentindo que tu mereças.
Mostro-me como sou,dos pés até a cabeça,
Meu corpo,alma e loucura,não permitem que me esqueças.

O desejo é algo intenso,mexe com o nosso querer,
Não nos deixa respirar, agimos sem entender...
Brota do fundo do peito e nos faz estremecer.
Então não bloqueio nada, deixo tudo acontecer.

Dôo-me a ti,por completo, como se fora o primeiro.
Cada vez que isso acontece, eu me entrego por inteiro.
Perco o senso e o raciocínio,enlouqueço por teu cheiro.
Minha alma se alucina, esse instante é derradeiro.

Quando nós nos entregamos, sinto dor, sinto prazer,
Dor por querer-te tanto, sem, no entanto, poder.
Mas não penso, só me entrego, deixo o amor florescer.
Fecho os olhos, beijo o sonho,nada mais posso fazer.


Publicada na Antologia Poética 'Diversos' -Outubro/2005

Andross Editora- SP.



sábado, 17 de abril de 2010

BE HAPPY



O que dá sentido a minha vida é o amor. A ponte que me leva à felicidade está ali em mim e a mim mesma cabe cruzá-la.
Felicidade não é aquele breve espaço entre os problemas. Felicidade é um estado de espírito, é saber o tempo certo de chegar e o tempo certo de sair. É na observância de nossas reais necessidades que encontra-se a felicidade.
Ser feliz muitas vezes é encontrar um vínculo com a vida por mais tênue que seja. Alguma coisa nós precisamos ter pra nos mantermos vivos... Eu abri as portas da minha vida pra felicidade!

sábado, 10 de abril de 2010

(...)


Sumi porque só faço besteira em sua presença, fico mudo quando deveria verbalizar, digo um absurdo atrás do outro quando melhor seria silenciar, faço brincadeiras de mau gosto e sofro antes, durante e depois de te encontrar.
Sumi porque não há futuro e isso não é o mais difícil de lidar, pior é não ter presente e o passado ser mais fluido que o ar.
Sumi porque não há o que se possa resgatar, meu sumiço é covarde mas atento, meio fajuto meio autêntico, sumi porque sumir é um jogo de paciência, ausentar-se é risco e sapiência, pareço desinteressado, mas sumi para estar para sempre do seu lado, a saudade fará mais por nós dois que nosso amor e sua desajeitada e irrefletida permanência.
(Martha Medeiros)

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Parabólica- Engenheiros do Hawaii.

Sabe aquele dia em que uma certa música não sai da sua mente em momento algum? Pois bem, desde que acordei tenho cantarolado mesmo que apenas na mente 'Parabólica' dos Engenheiros do Hawaii. Achei o vídeo dela, onde Humberto faz dueto com Clara Gessinger, postarei pra vocês.

video

"Longe, longe, longe (aqui do lado)
(paradoxo: nada nos separa)
Eu paro e fico aqui parado
Olho-me para longe
A distância não separabólica."

segunda-feira, 29 de março de 2010

Volúpia.

Teu olhar me leva a loucura
Cada toque de suas mãos me provoca
Basta-me sentir tua respiração e meu corpo em transe entrega-se
Desejo-te mesmo sabendo que meu desejo terá outro fim
Desejo o que desejo pra mim
Desejo que em meus braços desejes também a mim
Desejo-te, quero amar-te, acarinhar-te, sentir-te
Quero!Imploro! Ordeno!
Puxa-me para perto de ti, beija-me o pescoço
A cada investida sua meu corpo estremece, sinto um arrepio na espinha
Posso sentir sua respiração ofegante e você sente o meu corpo pulsando
Sussurras teu desejo em meu ouvido
Dizes que o cheiro da minha pele, do meu corpo faz-te perder o controle
Olhas nos meus olhos
Fixo meus olhos nos teus enquanto tuas mãos passeiam pelo meu corpo
Nossas bocas se encontram
Você pensa que sou uma menina perdida
Me acha indecisa mas na verdade sou uma mulher que sabe muito bem o que quer
Acabou a brincadeira
Toma-me
Se me queres, serei sua!
Vem...o tempo urge e o desejo é o que nos comanda.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Crise interna.

As coisas giram em círculos na minha cabeça. E também giram em círculos quando você está aqui. Eu fico zonza com sua presença. Estou confusa, perdida.

terça-feira, 16 de março de 2010

Luxuria - Isabella Taviani.

Postando hoje apenas para compartilhar uma música que tem feito parte dos meus dias e noites insones: Luxuria, da Isabella Taviani, quem não a conhece não sabe o que está perdendo.

video

domingo, 14 de março de 2010

***



Na vida a gente caminha, faz as coisas, constrói outras, vai trilhando, caindo, levantando, buscando o equilíbrio que nos foi ensinado pelos nossos pais em inúmeras conversas na infância e adolescência...

Quantas vezes Pri não ouviu que tinha que caminhar assim ou assado?
Que tinha que correr na direção contrária do vento?

"Aiiiiiiiii Priscila não é assim!"
"Priscila, volta aqui e cata tudo!"
"Priscila pede desculpa à suas irmãs!"
" Priiiiiscila, tira a mão, não pega."

E tudo isso foi acontecendo, me amadurecendo e me transformando...transformando nisso que sou hoje e continuará me transformando sempre, pois experimento-me inacabada. Inacabada e em busca de me tornar um ser humano cada dia melhor, um ser menos instável, deixar de ser aquela Pri constantemente inconstante.

Alguém certa vez me disse:"Pri, isso é questão de equilibrio!"
Mas como falar de equilíbrio se o AMOR é o que me desequilíbra?
Amo de uma forma inquietante.
A virtude do amor é sua capacidade potencial de ser construído, inventado e modificado? O amor está em eterno movimento, e numa velocidade infinita?
Eu amo dentre todos os movimentos dele (AMOR), dos altos, dos baixos

Ps.: Falei, falei e não disse nada com nada...mas mesmo assim me deu vontade de postar.

terça-feira, 2 de março de 2010

Eu adoro ser um trapezista nesse circo escandaloso em que minha vida se transforma. Às vezes estou na corda bamba, às vezes faço papel de palhaço, às vezes rio dos outros palhaços. Tem dias que rio de mim mesmo, e tem dias que enfrento feras e metáforas. Mas vivo sempre lá em cima, trapezista da minha própria existência, bailarino da minha própria esperança. Quase sempre mando que até retirem as redes de proteção para que o risco seja maior que o riso, para que os saltos sejam mais emocionantes e mais altos, para que a aventura seja ainda mais perfeita e mais profunda. E se um dia eu voar de encontro ao chão, isso não terá nenhuma importância maior, porque também viverei a emoção da própria queda. Em nome da vertigem, toda queda tem poesia. Quem cai por amor à vida, cai sempre para cima.
(Edson Marques)

domingo, 28 de fevereiro de 2010

Vivendo e aprendendo...

Embora o tempo nos tire um bocado de coisas, ele também nos dá algo. Eu não ousaria chamar de sabedoria esse algo, mas a verdade é que não se pode viver o que eu vivi sem aprender um pouquinho. O que aprendi é simples: a vida segue em frente como um rio que não conseguimos acompanhar. Esse rio não espera enquanto construímos uma ponte para cruzá-lo; ele continua fazendo o que tem que fazer. É assim que são os rios: eles correm. Por isso o importante é não perder tempo, não desperdiçar um único dia, nem um minuto que seja de um dia.É importante fazer bom uso de todo tempo que nos é dado e isso em si é um paradoxo pois se deixarmos de fazer tudo que pareça perda de tempo, que pareça desperdício, a própria vida perde o sentido.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Como as pessoas vem e vão na nossa vida né? Pessoas que a gente achava que íam permanecer sempre..passam e pronto. Me senti estranha tendo uma percepção maior disso...ter pessoas durante um tempo, julgá-las importantes e depois elas passam... e nem as julgar tão importantes assim. Muito estranho! Parece que eu não quero que as pessoas da minha vida atualmente "passem" não.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Dúvidas x decisões


"Acho que te amava, agora acho que te odeio são tudo pequenas coisas e tudo deve passar..." (Meninos e Meninas - Legião Urbana)

Quem nunca sentiu o peso da dúvida em sua vida? Quem nunca se arrependeu de determinada escolha? As escolhas podem mudar nossas vidas e muitas dessas mudanças podem ser irreversíveis. Durante nossas vidas passamos inúmeras vezes por situações como essa e na maioria das vezes ficamos sem saber o que fazer, qual escolha fazer ou que caminho trilhar. A vida é feita de escolhas e tais escolhas podem trazer arrependimento. Tomei minha decisão! Pode ser que eu me arrependa, mas hoje é pra valer, amanhã? Amanhã só o tempo dirá.

"Eu e você, podia ser mas o vento mudou a direção..." (Último grão - Isabella Taviani)

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010



“Minha solidão não tem nada a ver com a presença ou ausência de pessoas… Detesto quem me rouba a solidão, sem em troca me oferecer verdadeira companhia...”
(Friedrich Nietzsche)

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Não! - Moní Corrêa



Esse coração atentado
Bate feito um danado
Sem ouvir o meu refrão
Quando digo a ele: Não!
Parece um desalmado
Doido louco arrebatado
Faminto enfeitiçado
Sem aceitar o meu: Não!
Esse coração desenfreado
Adocicado meio melado
É na verdade desregrado
Quando não ouve o meu: Não!
Se provocado é tornado
Ventado desgovernado
Desvairado inflamado
Ele recusa o meu: Não!
Faminto vitaminado
Descompassado malvado
Algumas vezes versado
Mas não aceita um: Não!
Esquece que é reformado
Prejudicado esquartejado
Nunca escuta o meu recado
Embora eu diga sempre: Não!
Esse coração debochado
Fica descompassado
E sente-se violado
Quando grito: Não é Não!
Tresloucado, mas amado
Às vezes acabrunhado
Vê-se acarinhado mimado
Sem precisar do refrão
Que repito sempre: Não!
(Não! - Moní Corrêa)




quinta-feira, 28 de janeiro de 2010



Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui…além…
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!…
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi para cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder… para me encontrar…
(Florbela Espanca)

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Trânsito Astrológico.




Olá, Priscila! Quarta-feira - 27/01/10.


De 27/01 (Hoje) a 29/01

Sol na casa 11, lua na casa 4



No período que vai de 27/01 (Hoje) a 29/01, o Sol se encontrará na Casa 11 e a Lua na Casa 4 do seu mapa, Priscila. Seu sentimento de bem-estar emocional estará associado aos seus amigos queridos, mas de uma forma mais introspectiva: bom momento para selecionar quem é mesmo seu amigo, passar uma peneira fina! Este é um momento particularmente propício para fazer reuniões em casa com as pessoas mais queridas, ou mesmo visitar amigos-irmãos.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Pensem nisso!



O Haiti, de ditaduras, furacões, pobreza, exploração, é o epicentro da tristeza. E acreditem: tem gente no twitter dizendo que o que aconteceu lá foi merecido. Não cito nomes para não dar ibope aos imbecis.
O Haiti poderá enterrar mais de 100 mil pessoas e tem gente questionando a ajuda dos brasileiros. Todas as tragédias são urgentes. É importante também que não esqueçamos dos alagamentos, pobreza, desigualdades e tudo mais do Brasil; e mais que isso respeitar quem se mobiliza por isso.
Todas as tragédias são urgentes. De olhos bem abertos para o Haiti. Porque às vezes o Haiti é aqui.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Ah que essa boêmia é o que me estraga


Passei o dia mergulhada em lembranças de um domingo inesquecível, sinto-me agora longe de onde estou, revivendo momentos de uma felicidade gostosa de ser vivida, motivada por acontecimentos desses vários anos que se passaram e que não voltarão jamais. Tudo ficará guardado em caixas criptografadas; na lembrança.

"Histórias, bebidas, sorrisos (...) e afeto em frente ao mar."

Ps.: Acabei falando um monte de coisas que não fazem sentido algum, mas é isso mesmo nem tudo faz sentido nessa vida.